5 de fevereiro de 2014

Silêncio!

Boa!
Tudo em paz?!

Nesta semana, retomei as aulas, e estou tentando me readaptar a rotina (para mim, algo verdadeiramente motivador!). Muita informação, muita gente, bons e novos projetos, novas possibilidades...
E me pego pensando, e dando ouvidos a uma inquietação que vem me provocando já tem alguns dias, e compartilho aqui.

Imagem do google

Tenho uma professora que costuma trazer a seguinte reflexão, sempre que vamos abrir uma discussão:
"O que eu vou dizer/perguntar é objetivo? Vai ajudar/acrescentar ao grupo?" Se as repostas forem "Não", é melhor que eu permaneça calada, e em um momento oportuno a minha resposta virá.

O que anda me inquietando bastante são os ruídos, entende?!
O quanto as pessoas não pensam antes de falar, antes de se posicionar, o quanto as pessoas estão carentes!! Tão carentes que diante de qualquer situação querem ser ouvidas, mesmo que seja enquanto diz algo completamente redundante, e relevante. Isso me entristece, me cansa...
E isso anda tão evidente pra mim esses dias, não sei se sou eu que ando mais sensível a tais estímulos.
O fato é que, eu tenho aprendido a calar, a pensar, a mastigar... E a reflexão que a professora traz, tem sido uma constante para mim, sabe?

O difícil (pra mim!!) é lidar com os que não dispõem dessa reflexão, dessa consciência de que muitas vezes é preciso calar, ouvir, ouvir, ouvir, pensar, pensar, e então falar.
Ando meio cansada de gente abrindo a boca pra "dispersar energia", pra tomar um tempo precioso de aprendizado com histórias pessoais, que naquele momento não estão me acrescentando em absolutamente NADA!!

Gente o silencio é tão importante, tão sagrado... Se ouçam!! Por favor, SE escutem mais!!

O curioso é que me pergunto se já não estive neste lugar de "dispersar energia", e muito provavelmente a resposta é sim, mas antes tarde do que nunca né? E eu estou cada vez mais consciente do espaço que ocupo...


É isso.

Um abraço silencioso.

28 de janeiro de 2014

O que a vida ta me pedindo (implorando!!)...

Boa!

Desde que esse (ultimo) fim de semana começou (ou seja, na sexta), que eu só observo o que a vida ta me pedindo, os movimentos...
Na sexta, fui na terapia (como boa moça complicada que sou), ouvi umas verdades, e voltei pra casa pensativa, tentei corrigir umas posturas minhas, mas não sei se deu muito certo, só sei que me tranquilizou, me trouxe leveza, e isso é o que me importa, certo?!

A noite, jantei com um irmão, dei boas risadas, encontrei amigos muito queridos, bebi, dancei, dancei e dancei... Fui curtindo a noite, despretensiosamente, e vejam vocês... Só cheguei em casa com o sol raiando (coisa que eu ainda não tinha feito esse ano!!). Mas o mais legal foram as conversas;
Ainda cedo (antes de entrarmos na madrugada), pergunto para uns amigos: "Se eu ficar com vocês e seguir para onde vocês resolverem ir (repare o medo da pessoa de "fugir" de sua zona de conforto!) vocês cuidam de mim?!" A resposta imediata: "Minha irmã velho, a gente não cuida nem da gente!! Mas fique aí vá, vai dar tudo certo." Fiquei. E não me arrependi nem por um segundo! Com o dia amanhecendo, agradeço aos amigos pela noite divertidíssima e o seguinte diálogo rola: Eu - "Minha gente que noite massa! Bom isso de não esperar nada, e acabar rolando coisas boas!" Meu amigo - "Mas a vida é isso né?! É muito mais gostoso quando não se espera nada." E não é que é verdade?! ;D

O que a vida tá te dizendo? Foto: Viagens do Zacarías.
No sábado, após passar uma tarde em família agradabilíssima, já estava em casa, jogada no sofá, de pijama, tomando chá de capim-cidreira, quando, uma amiga manda uma mensagem:
"Chego na tua casa em 5 minutos, tas pronta? Vamos pro bar." Rá! Vesti a primeira roupa que encontrei, retoquei o perfume e parti!
Novamente, ZERO pretensão para uma noite de sábado, e vejam só, tive uma noite de risadas, conselhos, filosofias, algumas garrafas de cerveja, comida apimentada e cupcake! Por volta das 3h da manhã cheguei em casa, plena.

Aí bem... Chega o domingo, aquele dia naturalmente despretensioso, que já nem se apresenta assim com tanta disposição para fazer você sair da cama... Almocinho em família, normal. Fim de tarde com a amiga/alma-gêmea que me intima à acompanha-la para o show dos amigos e para o ensaio do maracatu. Fui. E aí, você já deve estar imaginando o que aconteceu, sim, foi incrível! Brega, risadas, banho de chuva, encontros, frevo, banho de chuva, cerveja gelada, maracatu, banho de chuva, fotos, lanche... E casa as 22h!
Que delícia!!!

Aí hoje eu, sorridente, leve, tranquila, concluo: "Ok vida, já entendi. ZERO expectativas, permitir-me é a lei!"

Boa semana! Beijo no coração!


21 de janeiro de 2014

Confusão

Boa tarde,

nem sei como começar... Na verdade, vou me desculpar (se é que alguém sentiu falta disso aqui.) por ter "sumido", a ultima vez que estive por aqui foi na terça (14/01), e desde então fiquei em falta aqui no blog, no começo por falta de tempo e disposição mesmo, depois poque me permiti. Sabe quando você não tá com muito saco mesmo, pras coisas, pras pessoas, pra você mesmo?! Pronto.

Bem nestes dias que se passaram, obviamente algumas coisas aconteceram... Uma delas é que, estive no cinema, e assisti um filme que recomendo pra geral! Ninfomaníaca. Assista, tipo assista. (Esse filme ta reverberando em mim até agora. Vai entender?!)

Esse é só um dos personagens... Gosto muito do trabalho desse cara, Shia LaBeouf.
Outra coisa, tive um sonho que me despertou para umas questões, principalmente para a minha relação com meus próprios sonhos, e preciso prestar mais atenção e levá-los mais em conta... Isso foi importante. 

Ah! Eu viajei, fui até uma cidade do interior aqui do estado, bem bonita por sinal, e contemplei uma lua cheia de chorar! Pena que não pude ficar por mais tempo... Acho que foram menos de 24h, e precisei voltar para casa. Numa próxima ficarei lá, e receberei o recado que for, mas ficarei! (Grata ao meu querido "irmão" que me convidou!)

Aí eu penso nos acontecimentos, nos diálogos, nos sinais... Fiz uma viagem de mais de 3h de volta, sozinha, num ônibus... Eu ando nessa onda de meditar e conversar com meus pensamentos enquanto estou na estrada. É curioso...

Bom, o fato é que, nesta semana que passou, eu tive uns roupantes, umas coisas positivas, mas muitas coisas que me confundem... E cheguei a conclusão de que por hora, quero distancia de confusão, sério mesmo, se vai me confundir, gerar dúvida, tô passando... Quero não.

Acho que nunca fiz uma postagem tão confusa. =( 

Mas é isso, também ando com a sensação de que isso aqui, é só pra mim. Enfim.

Um beijo pra quem ler, e sei que hoje não tô ajudando muito. 








14 de janeiro de 2014

Sem conexão...

Boa noite.

Infelizmente (ou não) só consegui sentar na frente do computador pra escrever qualquer coisa, agora. Vou contar-lhe porquê:

Passei o dia inteiro (até as 18h aproximadamente) sem internet, sem linha telefônica (fixo) por causa de (mais) uma falha técnica da GVT na região em que moro.
Daí que, eu começo a me analisar, e perceber nitidamente o quanto to ficando doida. (É, doida!).
Volta e meia tendo a falar dos outros, e do quanto as pessoas tem ficado reféns das conexões (na verdade, não só eu ando falando sobre isso, né?), mas é um acontecimento da contemporaneidade, e objeto de estudo da geral (vocabulário show esse meu!!).

E perceber que EU começo a desenvolver uma relação de "dependência" dessa coisa toda, me assusta. Juro.

O "lado bom" desse tipo de situação é que passo a refletir sobre outros aspectos (aspectos esses que ficam "esquecidos" enquanto "me torno refém" da rede.)...
Na real, não vou pagar de pregadora do "Vamos contemplar o dia!", "Passear com o cachorro enquanto tamo sem internet.", "Ajudar a mãe nas tarefas domésticas.." (Esse ultimo eu fiz!! Só não saio pregando sobre.)... Eu sou gente de carne e osso, e fico ansiosa (pra caralho!) quando não estou conectada com as pessoas que quero estar conectada (nem que seja só pra saber qual foi a ultima atualização da amiga que mora fora!), mas sou do pensamento do "nada é por acaso", sim! E se eu "precisei" passar a maior parte do dia off-line, foi para que eu percebesse, entre outras coisas, que existem outras formas de estar "conectada" com quem de fato se quer estar conectado... E isso é uma via de mão dupla.

Portanto, quando a internet se restabeleceu me peguei pensando... E a conexão? (Entende?)
Não vou explicar, desculpa.

Já fui melhor em encontrar imagens... Hoje não to boa nisso não. =x

Um beijo por uma vida com mais conexões, independente da internet funcionar. ;*

13 de janeiro de 2014

Ansiedade.

Boa noite, fim de semana foi bom? (Por aqui tudo ótimo.)

Então, estava eu aqui pensando sobre o que escreveria, e confesso que são tantos os pensamentos que tomam minha cabecinha, que fico perdida, entro num leve colapso... São tantas coisas que leio e penso que dão bons "panos pra manga" que quando vai chegando o fim da tarde entro num processo de ansiedade...

Aí tento dar espaço pra inspiração, e para o que deve ser partilhado aqui neste momento...

Pedi para um amigo (muito querido!!)  para usar as imagens/ilustrações dele aqui no blog, e ele topou! Aqui o link das viagens dele.

Dei algumas chances para inspiração, mas ela insistiu nessa danada, nessa agonia, sintoma, característica, buraco, expectativa, que todo mundo tem, uns mais, outros menos, mas que em algum momento a gente reconhece esse sentimento como gerador de atitudes, pensamentos, comportamentos abruptos ou frustrações... Já dei a dica né? To falando da Ansiedade.

Eita que tem horas que eu penso que isso não é de Deus não (brincadeira, to brincando!), mas sério, pense na quantidade de transtornos que essa danada pode provocar numa criatura (eu) quando não é bem dosada, reconhecida, trabalhada...

Eu confesso, sou ansiosa, muito menos do que já fui um dia (juro! Quem me conhece ta aí pra testemunhar.), mas ainda sim ansiosa. E vou dizer aqui o que me ajuda, de verdade, a controlar e inclusive entender meus processos de ansiedade;

1. Ler. Apesar de não ser um habito (infelizmente), tenho me condicionado a ler pelo menos um livro por mês, mesmo que seja pequeno, mesmo que seja para fins acadêmicos, um livro por mês, ler me faz esquecer de qualquer outra coisa.
2. Música. A música, principalmente as clássicas mesmo, orquestradas, leves, dessas que tem finalidade meditativa, me ajudam bastante a focar minha atenção no que precisa ser feito, desde novinha, ouvir uma musica tranquila me ajuda a estudar (Tem gente - Minha mãe -  que nunca entendeu como eu posso ouvir música e ler ao mesmo tempo, mas funciona comigo.). E as vezes só ouvir a música como única atividade funciona bem também!
3. Meditar. Ainda não conseguir atingir uma concentração necessária para um bom desempenho da meditação, mas só o tentar já me ajuda a "esquecer" da ansiedade. (Tenho lido umas instruções e técnicas budistas bem interessantes, depois coloco por aqui.)
4. Escrever. Recentemente percebi que escrever me acalma, e nem digo o escrever aqui nesse blog (claro que é incrível também, trabalhar esse meu lado "blogueira", comunicadora... Enfim.), mas o escrever numa folha de papel, escrever uma carta (mesmo que para você mesma ler depois), "materializar" seus pensamentos, angústias, ansiedades. Ajuda, vá por mim, ajuda mesmo.
5. Terapia. Sério mesmo, qualquer terapia em que você se encontre, que possa ajudar você a se enxergar, se reconhecer quanto parte de um todo, e do quanto esse "todo" mexe com você. Eu fiz por boa parte da minha adolescência a psicoterapia tradicional, com psicóloga (e é claro que vou defender esta classe, como boa aspirante a psicóloga!!) divã e tudo mais. Hoje faço uma mais holística, mas que tem feito uma diferença bem significativa, tem me proporcionado, através de meu auto-conhecimento, uma força, que eu desconhecia, para encarar principalmente meus processos de ansiedade/insegurança.

Penso que essas 5 "dicas" já estão de bom tamanho, até por que se eu colocar mais alguma coisa aí vai começar a soar essas matérias de auto-ajuda que a gente sabe que na vida real é difícil pra porra uma pessoa conseguir realizar, ou ela é rica, muito rica, e não precisa se preocupar com NADA só em controlar sua ansiedade, ou é mentira.

Aí assim, enquanto eu escrevia aqui pro blog eu ouvia isso aqui ó: Takenobu. Entra aí no link e dá uma conferida, me ajuda a concentrar.
E quando eu só quero desencanar, não pensar em nada, é de uma música assim que eu preciso: Ich tu dir weh. (Legal reencontrar essa banda...)

Ah! Enquanto pesquisava para a postagem, achei essa matéria, é bonitinha, bem interessante com dicas para trabalhar a ansiedade, tem umas coisas que ainda não condizem com minha realidade, mas todas são bem coerentes: 25 maneiras de controlar a ansiedade.

Vou finalizar por aqui, por que já me estendi muito (e já me atrasei também!).

Pra você que leu até aqui, um abraço bem apertado, desses que afasta qualquer pensamento ansioso!!
Beijo!